Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Marlon James

por Nuno Costa Santos, em 20.03.17

Screen-Shot-2016-11-28-at-14.21.31.png

 

 

 

Quem sobreviver ao início, literária entrada a pés juntos, fica preparado para o resto do trágico festim. “Ouçam. Os mortos nunca param de falar. Talvez porque a morte não seja morte nenhuma, apenas ficar de castigo depois das aulas. Encontras-te com homens que morreram antes de ti, que passam o tempo a andar, embora sem destino, e ouve-los uivar e sussurrar, porque somos todos espíritos, ou pelo menos achamos que somos todos espíritos, mas na verdade o que somos é pessoas mortas”. Aqui não há salvação. Marlon James não é Raul Minh’Alma.
A narrativa vai-se desenhando à medida que as várias vozes que, “falando” na primeira pessoa, se vão juntando num coro violento e gira à volta de um acontecimento histórico: a tentativa de assassinato de Bob Marley, “aquele tipo do reggae, que se tornou mais popular do que o pão de forma”, na véspera de um concerto, acontecimento que não impede Marley, ferido no peito e num braço, de dar, dois dias depois, um concerto para 80 mil pessoas – o artista, apresentado como “O Cantor”, é descrito a certa altura como um “daqueles tipos que podia falar com Deus e o Diabo e conseguir que eles fizesse as pazes – até porque nenhum é casado”. É um violento épico, que viaja pelas três décadas seguintes no coração do universo dos gangues e políticos jamaicanos, no qual cabem dezenas de personagens, de testemunhas a traficantes de droga e de armas, passando por agentes da CIA, do FBI e jornalistas.
Pontuado de referências musicais – do ska ao rock, passando naturalmente pelo reggae - e com um ambiente tarantinesco, este é um romance de linguagem e só quem conseguir atravessar esta linguagem que, num jorro de desespero, destilando o seu desespero - aqui e ali atravessado de algum humor - conseguirá conseguirá sobreviver. Há frases mal construídas, palavras cortadas, matéria para enganar gralhistas. José Miguel Silva é o autor do gesto de tradução - heróico, sim - de fazer o português dançar ao som desta banda sonora das ruas, das casas e dos guetos da Jamaica. “O gueto é um cheiro. Um cheiro por vezes agradável: o pé de talco que as mulheres usam nos seios, Old Spice, English Leather e água de colónia Brut. O odor pesado a cabra recentemente abatida, a pimenta e pimentão numa sopa de cabeça de cabra. De novo a pimenta num frango picante. Um odor a químico de detergente, a manteiga de cacau, a ácido carbólico, sabão de lavanda, mijo fermentado e merda seca a correr pelas valetas. O cheiro de cordite de uma arma recém-disparada, de caca em fraldas de bebé. O odor metálico do sangue coagulado de um assassinato em plena rua, que permanece no local depois de o cadáver ter sido removido”. Entrevista ao autor aqui.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D