Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



knopfli

por Nuno Costa Santos, em 18.05.14

Meus queridos, hoje, sabe-se la porquê, reli "O Escriba Acocorado", de Rui Knopfli. Sempre que falo a muita gente de Knopfli (mesmo a gente lida), percebo que é um nome com uma obra respeitada mas ainda desconhecida, ignorada, por conhecer. Rui Manuel Correia Knopfli elevou como poucos a língua portuguesa com uma escrita que é, toda ela, uma lâmina. É um dos melhores, para usar um lugar comum necessário. O país não devia dormir descansado enquanto não for reconhecido como tal.

As imagens quebradas

Uma última vez percorro a cidade no dia
em que começa a minha morte. Reconheço
estes lugares apesar da mudança e a sua
esquiva familiaridade roça-me as tolhidas
asas da memória. Aqui escrevi. Naquela

sombra imaginei. Entre uma e outra coisa,
vivi. O bastante para saber que toda a vida
em seu acidentado curso se salda por longo
reiterar de aproximações rumo à verdade, confusa
teia de retrocessos, falsas pistas, infrutíferas

buscas, constante e pertinaz correcção
de rotas através da bruma ou da luz
mais intensa. Sobre a rocha escaldante larguei
doloridamente a pele; adormeci no letargo
da crisálida; frágeis romperam-se-me

as asas antes do voo. As portas franqueadas
abriam para o labirinto e o descontínuo
das imagens. Escrevi de coisas inúteis, relatei
factos comezinhos, sobre cinzas e nada
discorri em favor de uma ordem pressentida.

O filho do homem apenas conhece a visão fragmentária
das imagens quebradas que o sol revela. Todo
o resto, como as raízes mais profundas, lhe é oculto.
Só o vento e a pedra e a árvore florescendo
de fronte importam. Só tu, meu Deus irónico,

em quem não creio, conhecerás talvez o tamanho
inteiro do frio fogo em que me consumo. A verdade
está próxima. Morrer é proventura alcançá-la.
Percorro a cidade, artérias de silêncio tumular,
pisando a áspera areia solta que o sol

legou após as chuvas de solstício. Uma
parede, algures, guarda-me a sombra antiga,
a brisa inerte dobra a melancolia dos girassóis
ao comprido da estirada tarde de Janeiro. Do zinco
doente desprendem-se murmúrios, vozes tutelares

que, num recesso ignoto, o tempo guardou avaro.
Ao longe um latir de cães estilhaça o sereno
espelho do horizonte em que trémulas casuarinas
perfilam a distância. Apenas legível, na parede
permanece inscrita uma sombra. Uma sombra

demora-se onde humidade, limos e musgo
obliteram já o risco original. Enquanto
dobram os girassóis, e a tarde com eles, falam-lhe
mansas as vozes. Assim, uma última vez, lento,
percorro a cidade procurando penosamente

as poucas palavras que me restam e o vazio ofegante
que há entre elas. Já nada espero. Tão-pouco
o que em mim se exprime é desespero. Saber
e amargura não querem coexistir. Quem tudo
perdeu, que mais poderá vencer? Caminho

pelos lugares queridos, sem tristeza, nem mágoa,
altas, condoídas árvores, lagos serenos escorrendo
de meus olhos, hálito azul da tarde que, por cair,
de sombras vai tranquilizando o horizonte. Só,
meu coração, bate contra a pedra e o silêncio.

Rui Knopfli

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D