Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Aqui da pastelaria

por Nuno Costa Santos, em 28.03.17

Havia um indivíduo bigodudo que dizia que a sua pátria era a língua portuguesa. A minha é outra. A minha é a pastelaria portuguesa. Escrevo em pastelarias. Garanto-vos: a crónica corre melhor quando escrita aqui, entre o empregado dos correios que todos os dias, à mesma hora, mastiga, com a maior das elegâncias, a sua salada de fruta e uma senhora que, ao fim da tarde, não resiste em vir comprovar que o éclair de ontem estava melhor do que o de hoje.

Lembro-me de Mário Cesariny, de cuja morte passam 10 anos, quando escreveu, num poema intitulado Pastelaria, "(…) afinal o que importa é pôr ao alto a gola do peludo/ à saída da pastelaria, e lá fora – ah, lá fora! – rir de tudo (…)". A propósito: vi Cesariny, nos anos 90, num café, o Café Estádio, no Bairro Alto. Na altura não havia selfies. Quando tudo era possível não havia selfies.

Mais aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:45



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D