Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais Imaturos

por Nuno Costa Santos, em 31.10.15

O disco começa bravamente com um cheirinho a The Bravery. Com um daqueles temas-corrida que vai fazer as salas vir abaixo e toda a gente fazer, mais do que air guitar, air drum. Vai passar nas rádios merecidamente. Miguel Ribeiro está seguro, orgânico e natural na vocalização do inglês. O segundo tema tem qualquer coisa de Duran Duran (é um elogio). A produção começa a mostrar o seu virtuosismo. A distorção das vozes funciona na batata. Talvez um dos melhores temas do disco pela originalidade, pela estranheza. "You & Me" é uma canção muito bem desenhada, com uma guitarra-rouxinol a aparecer na altura certa.

 

Há qualquer coisa de U2 ("Songs of Innocence"). "Hollow Head" é a canção mais serenamente épica. Tem uma melodia feita com a "little help" da instrumentação e da voz e é capaz de comover um ex-funcionário da Regisconta. "Heaven", com uma entrada à Joy Division (percussão), cheira a Cure na guitarra (nota-se que é uma homenagem). Palmas para as teclas. Melodia francamente feliz. É um dos temas fortes, que, como se diz nas esquinas, vai pegar. Quando entra o refrão, Ribeiro está em casa, organicamente seguro, assertivo na emoção. Sente-se o virtuosismo da produção nas camadas, nos pormenores. Sou fã de "Última Ceia", o único tema em português (com uma voz transformada). Lembrei-me dos Ban mas pode ser apenas ser nostalgia. A certa altura a música abre-se como uma flor sincera. É inspiradora. As rádios estão à espera disto. E temos balada com "Under The Rain" e uma letra meteorologicamente amorosa. Matéria para dança de garagem com vassoura e tudo (o costume devia ser recuperado). Miguel Ribeiro mostra o virtuosismo da sua voz, as suas modulações, mas sem exageros espúrios. "Please Come Home". Que bom. Baladucha de crooner de bar com Jim Reid e Stephin Merritt a tomarem uma pint ao balcão. "Lost and Found" é um regresso, esse sim, mui assumido ao som cureano. Mas só na instrumentação~estilo "Pictures of You". A cantoria nada tem a ver.

 

half.jpg

 "I´m so tired now", canta-se a dado passo, preparando o aviso de aeroporto "Lost And Found". Espera aí. Cai-nos em cima, sem que estamos à espera, "Lonely People", nada deprimente, diga-se. Que boa guitarrinha, que boa produção (psicadélica), que bom modo de cantar. Mais um tema para concerto. Aqui é a guitarra que domina sempre cruzada por umas teclas espaciais. A dado momento, sem sabermos bem como, estamos a ouvir uma canção rock'n'roll. Sacanas. Há mais rockada logo a seguir com "Turkish Delight", quase a roçar o hard rock. Matéria mais mainstream com uns arranjos turcos lá pelo meio (os Kula Shaker aprovariam na boa). "Corno de Bico" é para dançar nas danceterias com bola de espelhos. A voz feminina do grupo é mestre de cerimónias, qual vocalista dos Savages que recebe a ser altura uma caixa de bombons, enquanto os Kraftwerk fazem crochê a um canto (já têm idade para isso). Aproveita-se e bem para fazer os sintetizadores brincarem à vontade como crianças ao livre.

 

Ao segundo disco os The Happy Mess estão mais imaturos. Ou seja: brincam mais. Arriscam mais. Experimentam mais. Estão mais desafiadores. Mandam-se para novos terraços. Surpreendem mais. É um motivo de festa.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:27

Retrato com estante ao fundo

por Nuno Costa Santos, em 26.10.15

Tiraram uma fotografia ao melancómico em Óbidos, numa feira de variedades literárias que agora há lá.

melan.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:25

On the bairro again

por Nuno Costa Santos, em 26.10.15

 

O programa melancómico regressou, agora na RTP 3, depois de um período de hibernação - e aqui fica o primeiro episódio, espécie de BI deste regresso.

O homem dos sacos de plástico continua a deambular, filosofando em silêncio. Escrevendo as suas frases seja no seu bloco seja no seu smartphone (com o qual não sabe trabalhar bem). E a dançar, claro, seja na retrosaria seja na repartição de finanças. Conta agora com a cumplicidade de João Cunha (também conhecido, noutras andanças, como O Humorista), amigo com quem pode desabafar as suas inquietações.

A produção é da Shadowplay, do Ricardo Clara Couto. A realização é do Carlos Madaleno. A produção, sempre comandada pela Mónica Reis de Castro, tem a mão da Patrícia Ganhão e da Márcia Pedroso. A pós-produção áudio é do Jorge Cabanelas. O design é do Henrique Cruz e a gestão da página de facebook é da Márcia Pedroso. O genérico é dos Daltonic Brothers, Uma melancómica família, portantos.

A banda sonora do programa, cuja primeira edição passou no canal Q, vai oscilando entre os temas de piano da autoria de Nelson do Nascimento e algumas canções de PZ como “Neura”, “Auto-Estima” e “Mundo” (e ainda vai haver uma boa novidade).

Daqui a dois minutos passa o segundo episódio, que trata de uma mudança fundamental na vida do personagem e dos seus pensativos e dançantes sacos de plástico.

 

(Para ver é carregar no rectângulo que diz "Watch on Vimeo")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:21

Perdidos e Achados

por Nuno Costa Santos, em 26.10.15
1. Ontem passei pela zona de Perdidos e Achados do aeroporto. E pensei: nunca vi gente tão triste. A tristeza dos Perdidos e Achados era o olhar extraviado de homens e mulheres, sozinhos na noite do aeroporto (em si uma casa de melancolia). O que teriam perdido? Malas, provavelmente. Mas pareciam ter perdido pessoas e corações. Era um Perdidos e Achados sentimental. Foi o que me pareceu enquanto caminhava, com outros comparsas de voo, para a prosaica salvação dos lavabos.

2. Há algo que ofende: porque é que quando tiramos o carro de um determinado lugar há sempre um condutor que chega logo a seguir com a sua viatura e estaciona nesse mesmo lugar? Com frequência há imensos lugares mas ele quer ficar com o nosso, ainda quentinho da respiração do nosso amado automóvel.
 
Mais aqui.
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:18

Ámen

por Nuno Costa Santos, em 22.10.15

Como é que é? É assim. E quando é que estreia? Amanhã, às 10h55. Tão cedo? Depois repete. Aonde é mesmo? Na RTP 3. E o like? O like, segundo o Byung-Chul Han, é o "ámen digital". Ah, tá bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Uma cover. A cover.

por Nuno Costa Santos, em 22.10.15

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

Segunda temporada

por Nuno Costa Santos, em 22.10.15

Não tenho visto a novela. O enredo tornou-se umas vezes cansativo, outras inverosímil. Quando chegar ao fim, avisem, por favor. Talvez na segunda temporada ganhe mais interesse.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08

Gozo

por Nuno Costa Santos, em 19.10.15

gozo.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:41

Política Canibal

por Nuno Costa Santos, em 19.10.15

1. André Lourenço e Silva, o inesperado deputado do PAN, é, segundo se sabe, vegetariano. Teve azar, o rapaz. Chegou à política num momento canibal. Sabemos que isto anda assim: quem conseguir comer o outro fica com o lugar.

2. Ainda falando do PAN (é a obsessão da semana). Começa a colher junto dos tribunais portugueses a convicção de que os pais não devem publicar fotos dos seus filhos nas redes sociais porque estes não são seres à sua inteira disposição. Pergunto: com o partido dos animais, o mesmo vai acontecer agora com os gatos? É que, se for assim, metade do Facebook deixa de existir.

 
Mais aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27

Estou na Lua

por Nuno Costa Santos, em 17.10.15

 

umanoite.jpg

 

Uma das melhores formas de medir a temperatura de um espectáculo é olhar para a equipa técnica. Em vez de olhar só para o palco, olhar também aqueles que, discretamente, fazem com que o espectáculo aconteça. Ontem aconteceu estar sentado em frente à equipa técnica do primeiro show de Gregório Duvivier em Portugal - uma equipa tão técnica como criativa, sim. E a cada piada, a cada história, a cada movimento do artista em palco, os homens que comandavam luzes e som reagiam com festa. Como se fosse a primeira vez que estivessem a ver “Uma Noita na Lua”. Riam, gritavam, assobiavam, festejavam entre si quando o espectáculo começou a agarrar o público pelos colarinhos e pelo coração. Lá ao fundo estava Duvivier, rápido, comovido, genial, fazendo o seu sapateado narrativo dentro de um rigoroso e surpreendente jogo de iluminação. A dança deste show faz-se sempre naquela pista de humor e melancolia que muitos pisamos sem dar por isso. É aí que a personagem conta na primeira pessoa a história de alguém encurralado entre a obrigação de escrever e a fala amorosa com uma Berenice que o abandonou. "Um homem em cima de um palco pensando” perante um público que se juntou aos comandantes na sombra numa agradecida ovação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D