Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Poesia Judicial

por Nuno Costa Santos, em 30.06.15

Para um juiz do Tribunal de Relação de Lisboa, o Ministério Público, no caso Sócrates, "comporta-se como o viajante que perante a largueza da foz do rio não cuida de descrever o percurso desde a nascente". Temos poeta.

O texto do juiz é um convite para fazermos, no mesmo tom lírico-ambiental, a descrição das já narradas ocorrências de uma história que, mais do que ter a complexidade de uma tragédia de Shakespeare, assume a simplicidade de uma fábula de Esopo. Façamos um exercício poético semelhante a partir do que se sabe. Entre aspas, para ganhar dignidade.

"No deserto que se segue aos jardins do poder, um homem continua a necessitar da folhagem necessária para ser feliz. Não basta uma dúzia de folhas. É preciso uma floresta para alimentar o seu coração de animal feroz e faminto.
Quando se julgava um pinheiro isolado nas escarpas do mundo, eis que surge um Deus amigo que lhe envia o húmus decisivo a uma existência feita com os prazeres de Baco, vividos na Cidade Luz.

Mas a inveja amesquinha os espíritos terrenos e o mesmo ser que tinha recebido a verdejante graça em generosos movimentos é acusado publicamente de prevaricações várias. Acaba por ser enviado para uma gruta da qual, assegura, só sairá quando lhe garantirem a mais tropical das liberdades. Faça-se justiça." 

 

(Publicado na revista Sábado)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:05

...

por Nuno Costa Santos, em 30.06.15

greek2.jpg

 

 

 

 

grécia.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:02

Ruy Belo profanado

por Nuno Costa Santos, em 24.06.15

País poema homem

 

a eternidade é não haver papéis

 

que alegria ser poeta português
Portugal fica em frente

 

Eu vinha para a vida e dão-me dias

 

A natureza é certo muito pode mas um homem de pé pode bem mais


Se nem resolvi ainda o problema da unha do dedo mínimo/ como pretender ter resolvido o mínimo problema?

 

E as ideias, que só servem para dividir?

 

Sou novo. Tenho por isso a razão pelo meu lado.

 

Era novo. Não tenho a razão pelo meu lado.

 

Compro um bilhete de Comboio para ver quantos são hoje.

 

Não costumo por norma dizer o que sinto/ mas aproveitar o que sinto para dizer qualquer coisa.

 

Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros.


a minha grande esperança é o café

 

Nos dias de hoje ou nos tempos antigos/ não preciso de menos que todos os meus amigos.

 

Somos crianças feitas para grandes férias.

 

temi amei preocupei-me com problemas fui feliz vivi a vida emocionei-me

 

Falo muito de mim e de muitas maneiras/ algumas delas transpostas fantásticas fingidas

 

mesmo ao falar de deus eu me esqueço de deus


A minha vida passou para o dicionário que sou. A vida não interessa. Alguém que me procure tem de começar- e de se ficar – pelas palavras.

 

Ninguém sabe andar na rua como as crianças

 

Vivemos convivemos resistimos


Ó minha vida esse processo que perdi

Li por exemplo a Bíblia li pessoa e pertenci à igreja ocidental/ e tenho de reconhecer que não sei nada do natal

 

Meu único país é sempre onde estou bem

 

O meu país são todos os amigos/ que conquisto e que perco a cada instante.

 

Eu não sou muito grande nasci numa aldeia/ mas o país que tinha já de si pequeno/ fizeram-no pequeno para mim.


Basta a cada dia a sua própria alegria/ e é grande a alegria quando iguala o dia

 

Pessoa é o poeta vivo que me interessa mais

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13

Convite todo formal que dá jeito porque tem as horas

por Nuno Costa Santos, em 23.06.15

convite belojpg.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:25

Belo Gulbenkian

por Nuno Costa Santos, em 23.06.15

ruy belo.jpeg

 

 Quarta é dia de Ruy Belo na Gulbenkian.
 
Espero que possam ir celebrar, pensar, conhecer melhor o poeta como o homem que também foi.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:22

Chatos

por Nuno Costa Santos, em 21.06.15

"A gente conhece os chatos já prontos, não em formação. Talvez houvesse tempo de recuperá-los para o convívio diário e prazeroso se fossem identificados prematuramente e tratados. Está aí um ramo virgem da psicologia".

Ivan Angelo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:32

É preciso ir ver, como diz o senhor Brel

por Nuno Costa Santos, em 18.06.15

belong.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:15

Produtor de Conteúdos

por Nuno Costa Santos, em 15.06.15

Estou de viagem. Parei numa estação de serviço. Tenho a SÁBADO em cima da mesa e dou uma vista de olhos pela revista. Estaciono por acaso no meu artigo. Vejo-me e pergunto: "Quem é este tipo?" Ah, é o cronista, esclareço. O marginal ameno. Mas podia acrescentar: é o produtor de conteúdos.

Hoje uma pessoa não escreve umas coisas. Produz conteúdos. Há muito disso na net. Mas não só. Nas televisões, nas rádios, nos cartazes, em tudo o que seja território da comunicação. E o que de tão elevado faz o produtor de conteúdos? Enche de conteúdos aquilo que não os tem.

Gostaria de ouvir José Cardoso Pires – de quem a Relógio D’ Água acaba de reeditar a prosa desbastada – a responder à pergunta: o que é que você, produtor de conteúdos, anda a produzir agora? Calculo o que diriam Assis Pacheco e Alface dessa modernice tão emotiva como uma caixa multibanco. Nada de particularmente reproduzível numa revista familiar.

Um argumento para um filme, uma peça de teatro e de jornalismo vão perdendo o género. Agora são conteúdos. Um livro de poemas é um livro de conteúdos (sim, não dá para encantar ninguém numa conquista de balcão com a conversa "publiquei uma antologia de conteúdos"). Está para chegar o Nobel dos Conteúdos. E assim vamos, neste mundo indistinto, sem conteúdo nenhum.

 

(Publicado na Sábado)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:31

Crónicas

por Nuno Costa Santos, em 14.06.15

Um cronista precisa de crónicas. Tenho-me feito rodear das de Ivan Angelo, que me foram trazidas do Brasil pelo Humberto Werneck numa passagem por Lisboa.  E  pelas do próprio Humberto, que as continua a publicar no Estadão. Dão-me aquilo que é raro encontrar nos jornais e revistas de cá: a vontade de capturar por escrito uma brisa, um costume, a beleza de alguém ou de um momento. É a conversa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:10

Piadola

por Nuno Costa Santos, em 14.06.15

Só um país que não leva a sério o sentido de humor usa com tanta frequência a palavra "piadola".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:08

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D